O bitcoin (BTC), criptomoeda mais usada e famosa do mundo, ultrapassou nesta quarta-feira (20) seu valor máximo histórico de U$ 64.863,10, e chegou a ser negociado acima de U$ 66 mil. Após um longo período de baixa causada por banimentos na China e diversos fatores macroeconômicos, o bitcoin voltou a se recuperar somente em outubro.

A recuperação veio depois de rumores quanto uma possível aprovação do primeiro fundo de índice (ETF) dos Estados Unidos que negocia futuros de bitcoin. Além disso, o impulso no preço também foi causado pelo sentimento positivo por parte dos investidores do mercado.

Na terça-feira (19), foi finalmente listado na Bolsa de Nova Iorque (NYSE) o “ProShares Bitcoin Strategy ETF” sob o ticker $BITO, o fundo negociado em Bolsa da gestora Proshares.

A trajetória do bitcoin em outubro foi rápida e houve destravas de valores importantes no decorrer dessas últimas semanas.

A criptomoeda começou o décimo mês de 2021 na casa dos US$ 43 mil. Já no dia 5 de outubro, o bitcoin deu um salto e atingiu o preço de U$50 mil.

Na madrugada do dia 11 de outubro, um endereço comprou 6.230 bitcoins, e fez o criptoativo saltar de U$ 54 mil, onde havia certa resistência, para um pouco mais de U$ 57 mil.

Na sexta-feira (15), a Bolsa de Valores americana, Nasdaq, informou oficialmente que listaria o fundo de índice Valkyrie Bitcoin Futures ETF, criado pela gestora Valkyrie após a aprovação do ETF pela Comissão de Valores Mobiliários e de Câmbio (SEC) dos Estados Unidos. A moeda digital deu outro salto, desta vez indo parar acima de U$ 60 mil.

Fonte: Money Times