Investing.com - Os mercados globais se recuperam da queda sofrida ontem, após as notícias desanimadoras do China Evergrande Group, assim como se prepara para a reunião de política monetária dos Estados Unidos que se inicia hoje. Os investidores também estão de olho no preço do petróleo, após a produção no Golfo do México ser afetada.

Para investidores brasileiros, a atenção está no início da reunião do Copom, assim como no discurso do presidente Jair Bolsonaro na assembleia da ONU.


1. Os mercados globais sobem
Os mercados globais se recuperam das perdas de segunda-feira (20), enquanto analistas de todo o mundo se esforçam para tranquilizar os clientes de que a China não está prestes a experimentar o seu “momento Lehman”.

O índice Hang Seng em Hong Kong subiu 0,5%, enquanto os índices de ações de referência europeus subiam mais de 1%. Os rendimentos do Tesouro dos EUA subiam ligeiramente e o índice do dólar recuou da alta que atingiu na segunda-feira.

A expectativa agora depende do que as autoridades podem imaginar antes que os mercados da China continental reabram na quarta-feira (22), após um feriado prolongado. O China Evergrande Group (OTC:EGRNY) (OTC:EGRNY), o incorporador imobiliário no centro da crise crescente, já perdeu um pagamento aos bancos e enfrenta juros e pagamentos do principal de seus títulos a partir de quinta-feira (23).

2. Semana de ação do banco central começa com uma nota dovish
O que também ajudou o sentimento nesta terça-feira é a crescente percepção de que a desaceleração da economia mundial devido à variante Delta do coronavírus nos últimos meses atrasou o tempo em que os principais bancos centrais começariam a apertar a política monetária.

O principal evento desta semana continua sendo a reunião do Federal Reserve, que começa na terça-feira e termina na quarta-feira. No entanto, outros bancos centrais já estão começando a mudar para posições mais dovish. O Riksbank da Suécia deixou qualquer menção às taxas de juros futuras inalteradas em sua declaração de política monetária anterior, um abrandamento de sua orientação anterior. A Indonésia também manteve sua taxa básica inalterada.

As notas dos analistas sugerem que o Banco da Inglaterra também irá evitar o endurecimento da política na quinta-feira em sua reunião, devido ao fraco crescimento, aos dados de vendas no varejo e ao provável impacto da crise energética em curso na economia.


3. Ações preparadas para abrir em alta
Espera-se que os mercados de ações dos EUA recuperem a maior parte de suas perdas de segunda-feira quando abrirem mais tarde, em uma combinação dos fatores mencionados acima.

Às 08h38 desta manhã, os futuros do Dow Jones avançavam 0,84%, enquanto os da S&P 500 e os da Nasdaq subiam 0,77% e 0,72%, respectivamente.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem AutoZone (NYSE:AZO), cujos resultados trimestrais lançarão luz sobre se o aumento nos preços de carros usados pode ser sustentado, e FedEx (NYSE:FDX) (SA:FDXB34) e Adobe (NASDAQ:ADBE), que reportam após o fechamento.

4. Presidente Jair Bolsonaro discursa na ONU
O presidente Jair Bolsonaro fará o discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU, seguindo a tradição do Brasil ser responsável por iniciar as falas do evento. O desafio deste ano, porém, está em Bolsonaro conseguir melhorar a imagem do país a respeito dos temas da pandemia e do meio ambiente e se aproximar do governo dos Estados Unidos, sem se afastar da sua base ideológica.

Membros do governo tentam fazer com que o presidente adote um tom moderado, apesar de Bolsonaro ter afirmado nos últimos dias que “diria algumas verdades” na cúpula. Entre os assuntos que podem ser comentados está o anúncio de doação de vacinas contra covid-19 para a América Latina e o Caribe, como um indicativo de que o país avançou rápido na vacinação, apesar do próprio presidente já ter dito que ele não tenha se vacinado.

Outro ponto que pode aparecer no discurso de Bolsonaro é a defesa do marco temporal para demarcação de terras indígenas, que está em análise no Supremo Tribunal Federal e é criticado porque pode dificultar a criação de novas reservas. Bolsonaro também quer abordar os temas democracia e “liberdade de expressão”, que vê como questão central em sua briga com o ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Já aqui no Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa hoje (21) a sexta reunião do ano para definir a taxa básica de juros e deve repetir os aumentos promovidos nos últimos quatro encontros. Amanhã (22), ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.

5. Produção de petróleo da Shell sofre interrupção
Os preços do petróleo bruto se recuperaram em linha com outros ativos de risco, apoiados por notícias na noite de segunda-feira de que a produção do Golfo do México permanecerá prejudicada até o final do ano devido aos danos do furacão.

A Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa), maior produtora do Golfo, disse que sua plataforma West Delta 143, que atua como um ponto de transferência para o petróleo produzido por duas outras plataformas de produção, retomará as operações apenas no primeiro trimestre de 2022. No geral, disse, alguns 60% de suas operações na região são online.

Às 08h42, os futuros do petróleo Brent avançavam 0,91%, enquanto o petróleo WTI avançava 1,11%.

Fonte: Investing